Quando somos crianças, nos baseamos na visão de mundo de nossos pais ou responsáveis, para sabermos quem somos e compreender as coisas.


No decorrer de nosso desenvolvimento (saudável), adquirimos a nossa própria percepção (de si mesmo) das coisas.


Quando não ocorre esta Descoberta de Si Mesmo, baseada em Suas Percepções e Suas Experiências de Vida, é preciso fazer psicoterapia para entender este processo e corrigi-lo, para então viver de forma saudável psicológicamente.

 

A vivência da criança, do adolescente, do adulto, do idoso, do casal, da familia, em diversos ambientes e de preferência diversificados, proporciona a riqueza da percepção em geral.

 

O andamento da psicoterapia ocorre quando o paciente começa a notar, anotar e desconfiar dos seus pensamentos automáticos, fazendo com que a metacognição "quebre" o sequenciamento do esquema e, em última instância, altere o significado e a estrutura da crença central.

 

Esta crença central costuma ser herdada das crenças dos pais ou responsáveis no desenvolvimento infantil.

 

Na medida que a pessoa se recusa a amadurecer, não responsabilizando por si (por diversos motivos) se percebe baseada na percepção de um outro, não se conhece, passando a enxergar a si próprio e os acontecimento de forma deturpada.

 

Não possui autoconhecimento por falta de experiência de vida.

 

O processo psicoterápico se desenvolve a partir do conhecimento que o indivíduo passa a ter sobre si mesmo.

 

A psicoterapeuta se utiliza de técnicas cognitivo-comportamentais, tanto nas cognições quanto nos comportamentos, visando desestabilizar e alterar a estrutura do esquema disfuncional, ou seja, a profissional trabalha no processo psicoterápico de forma que o paciente perceba seus pensamentos disfuncionais, seus respectivos sentimentos e comportamentos baseados em sua primeira impressão, carregada de crenças errôneas tanto sobre si mesmo quanto das situações.

 

Atuaremos basicamente nos problemas manifestados através das quatro instâncias: COGNIÇÃO, AFETOS, COMPORTAMENTOS e MANIFESTAÇÕES FISIOLÓGICAS.

 

Rosilene Gomes

Psicóloga, Psicopedagoga, Arteterapeuta